quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

"VER-TE"

"VER-TE"

Meu amor
Se eu pudesse abraçar-te agora
Para nunca mais ver-te partir
Reviver os momentos de sonho
Os dias de paixão e desejo
Das palavras loucas vindas do coração
Se eu pudesse parar o tempo
As horas, para amar-te mais
Doce loucura sentida na alma
Morrer nos teus braços fortes e belos
Partir num barco a remos no deserto
E perdemo-nos no oceano dos nossos desejos

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Antigos fantasmas


Antigos fantasmas
De sombras da noite
Em novas formas escuras
Feitas de gritos surdos
Durante a aurora
Mentira aos prantos
De muita vergonha
Solidão sentida
Nas falhas que espalham-se
E que encobrem-me o corpo

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

"SECOU TUDO EM MIM"

 "SECOU TUDO EM MIM"

Tudo em mim secou.
Secaram as flores do meu jardim
Secaram as sementes do silêncio
Secaram as palavras que não chegamos a gritar
Secaram as lágrimas retidas de dor
Secaram as pragas que se engolem na noite
Secou o amor que matamos antes de nascer
Secou a fonte que regava tudo ao meu redor
Tudo ficou transformado numa imensa floresta
De árvores secas e desejos mortos
Secaram as desilusões do meu silencio.
Foram levadas .....com o vento para longe do tempo.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

"SOMOS"

 "SOMOS"

Somos, somos apenas duas almas perdidas
Perdidas num mundo cruel e desumano
Muitas vezes capazes ou incapazes
De distinguir entre céu ou inferno.
Entre a dor e o desalento
Abraço de aço, de esperança.
Máscara de ferro, sorriso de alegria
Campo verde, jardim florido.
Cinzas quentes dos fantasmas.
Cobertos dor e desamor
Somos apenas duas almas perdidas
Sentidas e afogadas nadando num aquário
Pequeno e profundo à espera para sermos salvos
Ano após ano, com os mesmos medos...mágoas
Dores, desamores, desilusões que encontramos e perdemos.
Nos velhos lugares que passamos e recordamos...
Somos duas almas perdidas...perdidas sem corpo..sem mente

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

"QUENTES NOITES"

 "QUENTES NOITES"

As noites quentes e frias de inverno
Passados a lareira ,vinho no copo
Com ar livre de prazeres das noites frias
De inverno nos reserva, onde é bom descobrir

Amar num jantar feito ao luar numa noite
De inverno, sentados num cobertor
De lã de ovelha, quentinhos, juntinhos
Estamos, sentimos o corpo a queimar.

Fogo da paixão que arde como as labaredas
Da lareira acesa , queima o corpo, une-se o beijo
Aroma de pinho, carvalho, sombreiro a arder
Uma mistura de perfumes perfeitos da natureza.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

"PAIXÃO"

  "PAIXÃO"

Quero estar nos teus braços
Desnudando a minha alma
Alucinada de amor e paixão
Atrevida, maliciosa e pura

Prisioneira de todos
Os meus desejos contidos
Sonhos, suspiros e gemidos
Carinhos alucinantes e ardentes

Onde pernoitas em mim
Feitas em memórias e saudade
Corpo ausente de solidão,
Palavras ocultas, livres e soltas
Nos teus braços meu querido
Quero desnudar a minha alma.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Hoje canto .....amo..rio...


Hoje canto
Amo e rio
Outras vezes
Sou choro
Riso, lágrimas
Paraíso, encanto
Desespero, sonho
Enamoro-me e desencanto-me.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

"VER"

 "VER "

Olho para o passado
Frio....nostálgico
Cansado...sombrio
Saudoso....perdido
Esquecido....infinito
Calado....grito
Lembranças...esquecidas
Naufrago....vazio
Dentro...peito
Esperanças.....renovadas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca