quarta-feira, 22 de outubro de 2014

"LITERATURA"



"LITERATURA"

A literatura
Derruba o meu tédio
Deixando
De fora a minha solidão
Como é bom ver-te
É como ter o tempo certo
O tempo de espera
Na espera do tempo
Caminho do tempo
Do tempo um caminho
Esperança do momento
No tempo da esperança
Parir o tempo
Na estrada do tempo
Certa no momento, como é bom ler!
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

"DOLOROSA CASA"

"DOLOROSA CASA"

Que dolorosa casa é esta a minha
Um leito que te recebe oh morte
Dos meus, com os teus sonhos intactos.
Resina no teto do orvalho na ponta do gume
No regresso de uma furiosa adolescência
Onde a morte se fundirá com os sonhos
Arado de estevas do espinho de uma rosa
Hei-te abrir os meus olhos às lágrimas
Que deixaram a morte sem o primeiro aviso
Embalar a brisa do outro lado do mundo
Como um caçador que na volta do caminho
Reconhece o seu rastro no trilho de pedras
Pertence à geografia, ao lume, ao fogo, sem destino
Que dolorosa casa é esta a minha que te recebe oh morte
Dos meus, dos teus sonhos intactos, de uma furiosa adolescência.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sábado, 11 de outubro de 2014

"MIGALHAS" ... Gume da faca...


"MIGALHAS"

Gume da faca
Espetado no dorso...
Com dor das palavras
Gestos em silêncio gravados de amor.
Migalhas de pão em pedaços...
Pedaços nas mãos.
Ventre em sangue na terra queimada
Na alma lavrada
A desilusão petrificou no corpo.
Na mente, sozinha, perdida
Totalmente desamparada.!
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 7 de outubro de 2014

VERBO NÓS


VERBO NÓS

Tenho saudades de quando te via
Que ficava deslumbrada
Por onde andaste meu amor
Depois de fugires
Que voltaste pela metade
Pergunto-me se algo morreu dentro de ti
Já não sabes ler o meu olhar?
Tens medo de olhar-me nos olhos
Despe-te, entra no meu corpo
Descobre de novo esta casa que nunca deixou de ser tua
Não te peço que fiques cá para sempre
Se tu não quiseres, mas, talvez descubras
E tenhas saudades da minha essência
Talvez não consigas queimar
Esse amor que sentes
Esquecendo os passos do tempo que te atormentava...
Possas sentir a genuinidade nos meus atos
Feitos de afetos e carinhos
Na liberdade pendurada em mim
Entre promessas feitas refeitas de amor...
Onde somos parte de mesmo mundo.
Neste amor que não padece
Mas que floresce como um jardim
Onde o jardineiro cuida e ama as suas flores.
Em que conjugo o verbo nós
No ardente desejo de paixão, no verbo amar!
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca