sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

"CALVÁRIO" Sofrimento, desprezível....


"CALVÁRIO"
 
Sofrimento, desprezível
Dum inútil invejoso
Com o terço nas mãos ajoelhado
Ferro quente cruel
Termo da crueldade humana
Lança perversa, madeiro companheiro
Pregado, sofrido, morto
Rastro de sangue derramado
Amado, odiado entre caminho de pedras
Monte calvário, a passos dados
Dores de amor, peito trespassado
Sangue do pecado só nosso
Onde foi consumado, madeiro nos ombros
Cordeiro morto inocente
Pedras quebradas, tesouro do mundo
Fonte de vida da pouca humanidade.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

AMO-TE

AMO-TE

Amo-te, em cada recomeço de mim em ti
Amo-te, nas noites frias de insônia
Amo-te, nas horas que padeço de saudade de ti
Amo-te, na ânsia sinto que me tira a calma
Amo-te, na liberdade que assola-me a minha alma
Amo-te, unicamente em cada batimento cardíaco
Amo-te, em cada pedaço meu em ti
Amo-te, em cada fragmento vivo no meu peito
Amo-te, nas horas que padeço de solidão
Amo-te, no silêncio marcado, calado de dor
Amo-te, da forma mais selvagem que há em mim.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

"JARDIM DOCE"


"JARDIM DOCE"

Os versos que te fiz meu doce amor
São os silêncios do nosso amor
Que enquanto as flores não crescem
Dormem os poetas nos sonhos merecidos
Por vezes escrevem, sem escrever
Palavras retidas a jogar com as letras escondidas
São frases surdas talvez mudas
Cegas de tanto amor, feitas de alegria
É tão cedo para me despedir das solarentas manhãs
De tentar esquecer a eterna magia das tardes
Só de lembrar-me do tempo e das noites tão vividas
Tudo o que sinto do que não foi esquecido
Está junto à porta, um vaso de orquídeas
Onde tocam uma melodia de violino divinamente.
No jardim as folhas das árvores, dançam como bailarinas
Dou-te os meus pés descalços, das minhas doces manhãs
De flores perfumadas, sabores da nossa cozinha
Risos doce das crianças, pedaços da nossa felicidade.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca