quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

"POESIA EM VERSO"

"POESIA EM VERSO"

A cortina da janela
.......... agita-se ao vento
Enquanto a minha mão
........... tocava no teu peito
As nossas bocas
..........sussurravam os beijos
Os nossos olhos
........... falavam por nós
Antes que a noite
.............pudesse ir embora
Os nossos lençóis
.............cobriam-nos o corpo
Eterna noite esta
..............a nossa feita em poesia.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

ARTE DA ESCRITA

ARTE DA ESCRITA

Escrever é uma expressão humana
Sobre aquilo que nunca se teve
E talvez, sobre o que nunca se terá
É manipular, influenciar e modificar
Escrever é explorar a magia
Manifestada em fantásticas descrições
Uma forma de esquizofrenia
Que é aceite socialmente.
É um resignar-se ao mundo ilusório
Onde invade a realidade.
Escrever é viver
É sentir a liberdade tantas vezes desejada
Sonhar com ou sem violação da própria vida.
É uma forma de falar sem ser interrompido.
Onde as palavras, as letras, tantas vezes
Ganham vida própria, uma vez que são impressas
Escrevendo descreve-se enquanto arte
Afinal escrever é emprestar as nossas mãos
Para que os nossos sonhos possam falar em liberdade.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

"AS FOLHAS DAS LETRAS"

"AS FOLHAS DAS LETRAS"

As folhas das letras atravessam os carris
Elas desconhecem as linhas do destino
Chegam à estação na vertigem do silêncio.
Viagem atribulada feita na escuridão dos túneis

O poeta escreve nos caminhos mais noturnos
A morte desvenda o mistério de um rosto triste
Os labirintos da alma são a solidão do corpo
Palavras secas no palato da nossa memória
No silêncio descrevo com esta sonolência
Poética onde invento ninhos feitos de ilusões
Palavras por escrever, por dizer tantas vezes
Sussurradas nas páginas brancas do poema


Dor sentida de lamento nas esquecidas letras
Onde atravessam os carris da nossa curta vida
Viagem atribulada esta a nossa, do destino incerto
A morte desvenda o mistério da vida mal vivida!
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca.

 

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

"MORRER VELHO OU NOVO"

"MORRER VELHO OU NOVO"
Meu amor(marido)Meus amores(filhos)

Escrevo de mim antes de envelhecer
Tudo o que sai de mim voa, para o papel.
Tudo vai-se, tudo esvai-se, permanece talvez só meu.
Nada em mim fica, do que vocês já não amem
Meus amores, um sorriso cultiva tantas vezes
O silêncio gentilmente disfarçado
Num poema triste de palavras minhas
Do teu silêncio ou silêncio nosso
Por isso quando o meu corpo estiver cansado
Talvez já cansado de mim, meus amores
Na minha modesta velhice
Deixa-me ser criança ainda que não aches graça
Deixa-me falar, ficar rabugenta
Zangada comigo e com a vida, tenho esse direito
Quando não quiser falar
Deixa-me com o meu silêncio, com os meus botões
Respeitem a minha vontade
Pois apesar da velhice
Talvez a minha memória esteja boa, ou não
Eu nunca me importei com o que as pessoas pensam
Não é agora que me vou importar
Não tenham vergonha de andarem comigo
Deixem-me ser criança
Apesar de ser velha devo ter uma alma irrequieta
Não me deixem sozinha
Mas gosto de observar-vos
Sempre gostei de vos ver à minha maneira, tão minha
Observar-vos era e é para mim uma bênção dos céus
Sejam amorosos comigo, quando eu começar a dar mais trabalho
Pacientes como eu fui com vocês, meus amores
Todos vamos chegar a ser velhos
Se não chegarmos é porque morreremos novos
Será melhor morrer novo ou velho?
Espero que Deus seja bom na minha escolha
Se não mais uns anos nos espera, nesta velhice já anunciada.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca