quinta-feira, 23 de abril de 2015

PÔR DO SOL

PÔR DO SOL

Estou tão cansada de sonhar
Das flores que eu amo, secaram
Morreram no jardim da saudade
De sentir na alma uma tempestade
Num abrir e piscar de olhos
De uma obscuridade palpável
Em duelos feitos de cúpulas na noite
Refeitos em pérolas, diamantes
Pôr do sol em fluxos turbulentos
Há sempre um demônio que vive entre nós
Mesmo quando o sol se põe no horizonte
Cuja alma pertence ao inferno
Estou cansada dos sonhos que desfalecem
Amar as coisas que não são eternas
De confiar e esperar por novos sonhos
Estou cansada, tão cansada
De todas as lágrimas perdidas, esquecidas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

domingo, 19 de abril de 2015

AMO-TE, TU SABES

AMO-TE, TU SABES

Tu sabes, que em cada palavra escrita, estás tu
Tu sabes, que te amo, ontem, hoje e amanhã
Tu sabes, que somos e fomos feitos um para o outro
Tu sabes, que contigo tremo e desoriento-me
Tu sabes, porque te deitas todas as noites comigo
Tu sabes, porque te enrolas nos meus braços
Tu sabes, mesmo ausente, em mim estás sempre presente
Tu sabes, que partilhamos quase sempre o mesmo pensar
Tu sabes, que somos e seremos um só, em corpos diferentes
Tu sabes, que nascemos para amar, para amarmo-nos
Tu sabes, porque eu sinto e respiro o teu amor
Tu sabes, que em cada letra que escrevo, está atada a ti
Tu sabes, que em cada frase que escrevo
Há um pedaço da tua existência......Tu sabes e saberás
Que no meu pensamento..............Estás e estarás presente
Tu sabes, que em cada decisão que tenho de tomar
.......................Tu estás sempre incluído.
Tu sabes, tu sabes, que vou amar-te, ontem, hoje e amanhã.
.........- Amar-te sabe bem........Tu sabes amor-

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 10 de abril de 2015

"DESCULPA"

"DESCULPA"

Desculpa por ser tão imperfeita
Desculpa por desejar tudo de ti
Desculpa por não viver o que tenho
Desculpa por o meu medo ser maior
Desculpa pelas lágrimas que se perdem
Desculpa pelo silêncio ser mais forte
Desculpa por não saber esperar
Desculpa todas as palavras não ditas
Desculpa não conseguir ser mais do que sou
Desculpa por desesperar por não te ter
Desculpa por querer-te da forma que quero
Desculpa por não parar o nosso tempo
Desculpa  por amar-te tanto, tanto que dói
Desculpa por pensar com o coração
Desculpa por ser tão incompleta como sou.

 Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 1 de abril de 2015

"EU NEGUEI-TE"

"EU NEGUEI-TE"

Deste-me uma casa, um teto e eu neguei-Te
Deste-me o pão nosso de cada dia e eu neguei-Te
Deste-me a vida e eu neguei-Te
Deste-me os braços, as pernas e eu neguei-Te
Deste-me amor e eu neguei-Te
Deste-me alguém para amar e eu neguei-Te
Deste-me os meus amados filhos e eu neguei-Te
Deste-me as rosas perfumadas e eu neguei-Te
Deste-me os olhos para ver e eu neguei-Te
Deste-me o sol, a lua e eu neguei-Te
Deste-me a chuva, a tempestade e eu neguei-Te
Deste-me as coisas mais belas que eu podia ver
Sentir e amar e mesmo assim eu neguei-Te

Isabel Morais Ribeiro Fonseca