quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

FADOS E BECOS



FADOS E BECOS

O corpo adivinha as sensações já vividas
Experimenta as dores profundas e velozes
A carne tem um fraco pelas orgias da noite
Sou levada pela saudade cravada em mim

Sente-se dor nos ossos, tudo que não vivi
Vislumbrei-me em fado nos becos noturnos
De tramas, de mentiras, de olhares já tóxicos
Lua de desejos sob a penumbras madrugadas

Saudade da solidão, noturnas noites diluídas
Gelo esgotado nas gandaias dos sonhadores
Raiadas nos olhos, sono pelo avesso espelho
Luzes frias, som em fúria, de um sino tocado.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


sábado, 26 de dezembro de 2015

SEDE ORVALHADA

SEDE ORVALHADA

Sede orvalhada com o sabor da tua boca
Fixa nos meus lábios, sabor perfumado
Da tua pele, onde brilha a minha pele em ti
Suspiros ao nosso encontro das nossas bocas
Como se de uma trovoada se tratasse lá fora
Onde os meus seios são uma colina de fogo
Os teus olhos são labaredas ardentes de paixão
Sussurras nos meus ouvidos doces palavras
É nos teus braços que gosto de estar, de amar
Agarraste-me nesta noite à minha cintura, a navegar
Tu és o comandante deste navio, do meu corpo
Enquanto a lua se ausenta no verbo amar
Nós somos o santuário consagrado de Deus
Onde os teus lábios, o teu carinho, o teu amor
Fizeram-me esquecer por horas o mundo lá fora
Quero derreter o gelo em fogo da nossa paixão
Em sentimentos que nos fazem ser um só corpo
Amanhecer com o teu sorriso, com as tuas dores.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

SOU

SOU

Sou um espectro
- Que vagueia sem rumo
Uma pauta de uma música
- Que ninguém vê
Uma sonata confusa
- Para tacanhos ouvidos

Sou uma sombra que pede
- Na musica que ouve paz
Palavras soltas em letras
- No espectro de fragas
Caminho de estreito passos
- Na serra entre os lobos

Sou as letras escritas
- Do meu livro invisível
De palavras bizarras
- Estranhas que ninguém lê
De asas perdidas
- Esquecidas na estante de pó.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca




sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

QUERO-TE

QUERO-TE

Guardo na alma
Sorrisos, palavras
Gestos, abraços
Afagos, beijos
Sonhos, silêncio
Que o nosso silêncio
Sussurre mil palavras
E dar-te-ei um beijo
No espaço do tempo
Que encontre a paz
Tornando-me eterno
No teu corpo, no meu
Quero-te agora para
Respirarmos, rirmos
Chorarmos, vivermos
Amarmos na loucura
Voarmos felizes
Quero-te agora para
Seres meu, eu ser tua
Olhar para ti, tu para mim
Sentir o teu corpo comigo
Adormecermos com beijos

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

DEIXA-ME AMAR-TE

DEIXA-ME AMAR-TE

Deixa-me amar-te entre as amoras
Afagando a solidão nas tuas carícias
Na velha ponte do rio vejo as águas
A passar entre as fragas escorregadias
Os meus olhos são breves represas
Com lágrimas a transbordar de alegria
Deixa-me visitar o teu corpo com o meu
Oferecer-lhe chá de mel à tua doce alma
Deixa-me abrir os teus baús já esquecidos
Cheios dos teus sentimentos amados, dos meus
Deixa-me ver os teus olhos, eles não esqueceram
Todas as memórias já passadas com o tempo
Deixa-me acordar os teus sonhos adormecidos
Eles são tantos que já pouco nos lembramos
Deixa-me pôr a tocar aquela nossa música
Que tantas vezes dançámos nas noites de verão
Deixa-me dar-te um longo e aberto sorriso
Para que tu me abraces antes de eu dormir
Deixa-me dar-te o brilho duma tarde molhada
Onde andávamos de mão dada no Outono
Deixa-me amar-te tirando os vincos dos sonhos
Que guardaste com medo do eu pensasse
Deixa-me pintar em desenho o teu primeiro beijo
No gemido do vento que corre para o mar
Deixa-me meu amor viver no teu presente
Para que posamos juntos viver o nosso futuro.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca