quinta-feira, 6 de abril de 2017

QUARTO

QUARTO

É por te amar assim tanto, que marco
Todos os ganhos as perdas e não te perco
Num labirinto esquecido que me consome

De desgosto onde me perco totalmente
Sem saberes o que sinto no meu peito
Desta minha paixão carnal que me consome

Cegamente, tolda-me a mente sem perceber
Que este amor não foi banal ou ainda indistinto
Incerto ou ainda confuso, mas sim verdadeiro

É por te amar assim tanto, que me esqueço
Sem saber que vivo entre as paredes do nosso
Quarto repleto de ervas trepadeiras em flores.

 Isabel Morais Ribeiro Fonseca.